Nunca sequei por não me amares, ou pelo menos, não me amares da mesma maneira. Descobri isso quando deixei de ter saudades do teu corpo na minha cama e das tuas mensagens tardias no telemóvel que me alimentavam nas manhãs solitárias. Às noites de sono fugidio e sobressaltado seguiram-se as de descanso profundo, com a certeza de que o dia seguinte seria sempre mais fácil.
MRP

3 comentários:

  1. este excerto dela está magnifico e vai de encontro comigo também..
    pois, sabes, eu sempre fiquei um bocado curiosa com alguns excertos que li dela, até que um dia, decidi comprar um livro, "O dia em que te esqueci" e desiludiu-me um bocado.
    acho que diz coisas acertadas, no entanto muito vagas no livro em geral..

    ResponderEliminar